Pré-estreia e resenha de 'Instrumentos Mortais - Cidade dos Ossos'

Sim, nós fomos! Aliás, essa que vos escreve foi! Antes de qualquer coisa gostaria de agradecer aos dudes do No Meu Mundo pelo convite (de quem roubei as fotos aliás). Foi incrível ter essa experiência ao lado de vocês. Pois bem! A pré-estreia no Rio de Janeiro rolou no Shopping Downtown na Barra da Tijuca, dia 19/08, com direito a Shadowhunter's, Fadas, Simon's, Clary's, enfim... Foi maravilhoso ver todos vestidos a caráter, e reunidos. Eu ainda fui sortuda e ganhei um colar de runa! :P
Eu sei que você que vai ver hoje, ou no fim de semana está ansioso (ou não) para saber como é o filme, certo? Antes de dizer que foi ótimo, tenho que alertar que esse texto pode conter SPOILERS para quem não leu e vai por curiosidade, ou para quem realmente não quer saber e ter a experiência lá, nas telonas.

Dando início aos trabalhos, digo que como fã da série, não me decepcionei com absolutamente nada. Senti falta de algumas coisas, relevantes, mas não impossível de não acreditar que não estavam no filme. Eu vou descrever alguns pontos importantes do filme, então deletem a ordem de acontecimentos do livro. Lá vai:
O filme começa com a vidinha da Clary, Simon e Jocelyn como sempre foi. Nada é tão estranho para Clary, até ela arrastar Simon ao Pandemonium Club e ver um grupo muito estranho de adolescentes assassinando o carinha que ajuda Clary e Simon a entrar no clube. Esse grupo aparentemente apenas Clary pode ver, o que a faz testemunha de algo terrivelmente esquisito. Do outro lado, Jace, Izzy e Alec Lightwood constatam que ela não é uma "mundanda" comum. Jace começa a perseguir Clary, que cobram satisfações um do outro, mas um mal já está a caminho. Nesse momento o jogo vira, Clary descobre que sua mãe foi sequestrada e com a ajuda de Jace consegue começar a compreender o que realmente ela é. 

Esse comecinho de filme foi bem igualzinho ao livro, como eu não canso de explicar, é uma adaptação e cenas são deletas. Achei bom, eles terem cortado algumas, já que deixou o filme no geral com mais ação do que eu esperava.

Coisas que senti falta:
 Uma delas, foi a transformação de Simon em rato. No filme, Simon bebe um drink adulterado por um vampiro na festa de Magnus Bane (não vejo a hora de falar sobre ele!) e é levado pelo grupo. Entendi que foi mais emocionante assim, já que a história se centrou na busca pela Taça Mortal, e quase todo o Downworld está querendo um pedacinho, já que demônios estão sendo controlados por Valentin. A cena do resgate do Simon ficou muito mais emocionante aos meus olhos.
Senti falta dos desenhos da runas, que por vezes não eram feitos. Apenas se encostava uma estela em algum lugar a coisa magicamente acontecia.
Outra coisinha que senti falta, muita falta, foi uma locação que eu pensei que seria indispensável: Idris. Sim, Idris não está no filme Cidade dos Ossos. Talvez para uma melhor preparação posterior, ou uma redução de gastos mesmo. A cena final é lá, e no filme aconteceu no Instituto, mais precisamente no escritório de Hodge.

Atuações/personagens:
Bom, tema polêmico, já que todo fã que se preze tem aquele medinho da escolha do cast. Sempre queremos e temos um personagem idealizado na memória, e isso é muito comum. Este elenco me surpreendeu, pois confesso que fui sem expectativas para ver o Jamie Campbell Bower (Jace) atuando não me matem mas é verdade! Não acreditava muito nele, já que fisicamente ele não era o meu Jace ideal. PORÉM me estrepei! Ele foi ótimo! Fez a pitada de Jace sensual, engraçado, amigo, enfim. Todos os ingredientes estava lá. Aliás, as cenas dele com o Jonathan Rhys Meyers (Valentin) ficaram ótimas! Que foi outro ator que não tinha características físicas compatíveis com o personagem, mas ficou maravilhoso atuando. Um Valentin tão apaixonado pela sua causa estava muito bem representado no filme. As doses de sarcasmo e arrogância, estavam na medida certa no personagem.
Lilly Collins foi uma Clary na média, em nenhum momento me decepcionou e fez as cenas de ação direitinho. Você deve estar se perguntando sobre o bromance de Jace e Clary (até o momento final). Ficou perfeito, sem grude, e sem muito conflito, mais uma vez na medida. Até a revelação foi boa, e fiel ao livro. Valeu a pena.
Robert Sheehan como Simon desde o começo foi o personagem, que mesmo sem eu saber como era a atuação do Robert, já caia como uma luva. Ele vestiu a camisa, e se jogou no personagem. Não esperava menos dele! Em todos os momentos, ele foi o Simon perfeito.
Jemina West (Izzy)! Pensa em uma palavra de 4 letras, que começa com fo e termina com da. Exatamente isso! Ela roubou a atenção das cenas de ação dos meninos. Seja com chicote ou lança chamas, ela foi incrível!
Estava ansiosa para falar desses dois: Godfrey Gao (Magnus Bane) e Kevin Zegers (Alec Lightwood). A cena da festa, onde Magnus se insinua para Alec foi meu momento Oh My Gosh! do filme! Que química incrível! Não sei se foi só a minha, mas foi mara! Estou ansiosa pelos próximos filmes e cenas deles dois.
Lena Headey (Jocelyn Fray) e Aidan Turner (Luke) também foram ótimos. Ficou até no ar uma "provocação" sobre uma paixão platônica entre eles, e foi legal.
Falando de um grupo inteiro, não podia deixar de fora a caracterização dos Irmãos do Silêncio na Cidade dos Ossos. Eles estavam assustadoramente "encantantes"! Eu não consegui tirar os olhos das suas bocas costuradas, e a forma de comunicação (telepática) estava fiel. Me surpreendi!

Queria descrever aqui cada momento mas acho que uma dose de suspense sempre é bom. Uma nota para o filme? 8.5! Vale muito a pena, já que as mudanças foram para melhor. Não tenho o que reclamar. Eu recomendo! Assistam, e acima de tudo se divirtam!

Beijos!

 

Siga no G+

Twitter

Facebook